Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

conaculta

"We must enter into that willing suspension of disbelief required in the reading of any poem"

Conversa com Tynke

Se fosse dantes e se eu fosse uma crítica de mim própria, que não sou, mas se eu fosse capaz de ser e se isso servisse para alguma mudança, eu díria que a idade ou qualquer um dos comprimidos, pós, ou vitaminas que ando a tomar me está a tornar delicodoce. Parece que ando a mastigar de um lado para o outro, dentro da boca, um caramelo daqueles de Badajoz, dos bons, dos anos 70. A mudar alguma coisa com o tempo, não era transformar a minha escrita nestes pacotes de açucar, aquilo que eu queria pedir a Deus ou a Caetano Veloso. Queria pedir a voz da Cher, queria pedir mais salero, mais experiências na vida com mulheres tão lindas e a cheirarem tão bem do pipi como cheiravam as Milan.

Os melhores Sábados da minha infância! Aqueles passados nas Galerias Preciados, num corredor de coisas para a escola. Sentada e escondida dos empregados a abrir e a cheirar pacotes de três borrachas Milan: a Azul, a Cor de Rosa e a Verde.

Tudo o que te quero dizer está nas entrelinhas disto que escrevi e é tão forte como os barulhos das turbinas de um Boeing 777 a levantar vôo. Mas eu perdi a mão. Desaprendi de escrever. Onde estás tu, amor meu?


«we must enter into that willing suspension of disbelief required in the reading of any poem»

Autora

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D