Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

conaculta

"We must enter into that willing suspension of disbelief required in the reading of any poem"

errata

Hoje fui acordada com perguntas sobre o amor. O Amor, querida? Como é para mim o amor? Assim tão cedo, a esta hora da manhã e depois de ontem estar duas horas a levar com doses cavalares de neutrões de serotonina, devo dizer-te que prático ele não é. Apesar de comigo eu o levar sempre para todo o lado. às vezes esconde-se aparece-me num apalpão a meio da Rua da Rosa e de noite, sim num apalpão desejoso ao teu rabo. Outras vezes vem quando me enterneço com as tuas maminhas a olhar para cima e sim, aí também está o meu amor, maluquinho mas cheio de olhar fotográfico. O meu amor também é de manhã quando acordas com as calcinhas um bocado para baixo e pareces a mal enjorcada da miúda da sundown. O meu amor está na minha falta de paciencia nos grãozinhos de comida dados à boca da Fred e está em frente à tua televisão quando andas horas sem saber como vais sair de casa. O meu amor está sempre irritado quando discutimos, quando tenho ciúmes, quando sinto que não me queres tanto nessa hora. O meu amor está no chão, sentado, zangado comigo mas ao meu lado, quando nos vais buscar porque os dois fizemos merda. O meu amor está no Spotify que te tiro para nunca mais ouvires as nossas músicas, muito menos enquanto comes sem mim. O meu amor está na primeira frase que alguma vez ouvi de ti e relembro sempre que te faço mal, porque comi tomates Cherry  e o amor fica a saber a, blah tomatinho cherry, que é azedo como tudo, e em casos mais graves dá umas pontadas de ciúme febril e depois temos que nos pôr sentadinhas a ver se nos acalmamos com qualquer coisa mais irracional que nós e então falamos das histórias do amor entre a Simone de Beavouir e o Jean Paul Sartre. E tu dizes que eu sou ele, e eu te digo que ela és tu.

O meu amor por ti está nessa tua bondade de um dia teres tirado o dia para fazeres alguma coisa que te desse prazer e me dizeres que isso tinha sido uma coisa que tinha tido a ver comigo. Pode ser isto o amor?

 

Errata: A míuda mal enjorcada não é  da Sundown, é a da Coppertone.


«we must enter into that willing suspension of disbelief required in the reading of any poem»

Autora

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D