Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

conaculta

"We must enter into that willing suspension of disbelief required in the reading of any poem"

Espelho de Água

Eu já sabia que eras o meu coração de salvamento. Não tenho a certeza se sou o teu, se tu precisas de um coração de salvamento, porque és em tudo tão perfeito, desde sempre, aos meus olhos. Acho que nunca precisaste de nenhum coração de salvamento, porque o tinhas sempre escondido dentro das meias das tua botas lindas, as dos tempos em que os teus pais moraram em Paris e agora também andas com ele nestas, que nunca vejo. Devias pedir para não te cortarem sempre os pés nas fotos.

Gostava de te encontrar numa estrada daquelas onde se despenham os carros das pricesas e que não estivesses ali parado para mais, a não ser para não me deixares fazer a mesma curva a correr para nada e olhares para mim, meu coração de salvamento, com tudo o que tens quando estás feliz e ficas tão loiro.

Achas que seria como nos filmes e começava uma música do Cole Porter, quando o carro parasse para entrares ao meu lado e comigo e com o vento e a luz  perfeita até ao lugar lindo onde irias fazer o almoço simples para comermos devagar a olhar um para o outro, umas vezes a rir muito, outras em silencio.  Ás vezes em pé, outras sentados na tua cozinha onde não iria aparecer ninguém,  porque estavam felizes em  férias em outro lugar com buganvilias e sessões continuas dos putos maravilhosos do Stranger Things.

E tinhas figos em cima da mesa de madeira que só poderia ser a tua mesa de madeira e tinhas as tuas mãos, as tuas facas e copos muito bonitos. Tinhas figos que nos lembraram aos dois com os mesmos olhos em fuga, que o sexo existe mas please,  coração de salvamento, só ali no  breve acto das tuas mãos a abrirem-no e tu a despachá-lo boca abaixo.

Hoje deviam ter-me tirado o meu coração - enquanto almoçavamos no lugar muito branco e onde só estavas por gostares de mim e pelos guardanapos impecáveis -, se os métodos não fossem, em relação às operaçoes de coração aberto tão cheios de esquisitices.

Estarias agora aqui calmo, a aproveitar a noite linda, deitado no chão da sala a ouvir Coldplay. Gostas de Coldplay, meu coração de salvamento?

 

 


«we must enter into that willing suspension of disbelief required in the reading of any poem»

Autora

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D